Terça-feira, 12 de Maio de 2009

As árvores

Este poema para lembrar todos os objecto da nossa infância e que ilustraram as nossas brincadeiras e sonhos à sombra dos cajueiros, mangueiras, casuarinas e muitas mais frondosas árvores da nossa infância.

 

AS ÁRVORES.

 

Eu espero, sim, que essas árvores cresçam. Adormeço com elas todas as noites, embalado pela sua sombra. Lembro-as de memória, sobre a relva verde. Lembro as suas folhas, caindo de noite. Mesmo as que ainda não vi, eu espero que cresçam, que me esperem, que me abriguem nesse dia em que mais precisarei delas, ouvindo o ruído do mar não muito longe. Tenho, a cada minuto, saudades dessas árvores.

 

Francisco José Viegas

 

Azagaia, Árvore, Sombra


 

 


Há objectos que perseguem a nossa infância,
depois, vida fora, esquecem-se os seus mágicos nomes,
a sonhada utilidade que os anima.

Poderíamos pressenti-los dentro de nós,
e isso sucede, por instantes, quando o fundo que os obscurece
se ilumina de repente

e os distinguimos a contra-luz.
Silhuetas animam-se na memória. Uma breve,
quase acessória, viagem no tempo começa.

Em África, na casa onde nasci, e depois de casa em casa
- eram frequentes as mudanças ?
o meu pai pendurava uma azagaia na parede.

Sempre a mesma azagaia. Era um objecto nobre.
marcava um hábito guerreiro: imaginar que a sustinha sobre a cabeça,
que a arremessava longe, trespassando a sombra

da árvore que se erguia no quintal.
trespassava a sombra e não a árvore, repare-se.
E então a sombra, sob o sortilégio do imaginado arremesso,

começava a retrair-se e a afilar-se. Desaparecia.
Com o desaparecimento da sombra
ficava apenas a árvore e a longa azagaia presa ao solo.

A sombra de uma árvore visita-me agora.
Vem nos meus sonhos recentes dizer-me que há um livro
nos sonhos, e que esse livro se escreve

com a linguagem crepuscular da memória.
Sei que se trata de uma sombra órfã.
Que se soltou das contingências de lugar e luz

para viajar no eterno. Sei agora que a substância da árvore
se aliou à substância da azagaia. Que ambas vibraram,
continuam a vibrar, juntas.

 

Luís Quintais

 

 

 


publicado por mokala às 17:14
link do post | comentar | favorito
Domingo, 10 de Maio de 2009

Poema a NAMPULA

Poema a NAMPULA
 
 
   TERRA VERMELHA
 
Oh terra vermelha
Que me alimentaste
Oh terra vermelha
Que me criaste
 
Teu cheiro é a essência
Da minha existência!
Oh terra vermelha
Que me concedeste
O privilégio de saborear
O paladar das mangas, do cajú
Do amendoim, do torretore,
Das mulheres bonitas
Que bamboleiam ao som
Dos tufos
Dá-me um espaço
Para eu poder
Descrever o teu cheiro húmido
Através dos sentimentos!
Oh terra vermelha
Que Deus me permite
Tocá-la
Com a ponta dos meus dedos
Dá-me um espaço
Para eu poder repousar
O meu sono profundo!
 
 
Lisboa, 06 de Maio de 2008
Luis Correia Mendes

 


publicado por mokala às 01:08
link do post | comentar | favorito
Terça-feira, 5 de Maio de 2009

Nampula

</embed>
Created by Crazyprofile.com

publicado por mokala às 00:56
link do post | comentar | favorito
Sábado, 2 de Maio de 2009

Correndo riscos e equilibrado - (reflexão)

Esta foto dá para reflectir.

Numa avenida de Nampula.

Do lado direito o veículo leva só uma roda e do lado esquerdo duas.

E lá vai carregado...correndo riscos e equilibrado...

 

Assim deviamos nós caminhar sempre, equilibrados, sem desvios, sem sacudidelas.

Viver equilibrado mental e fisicamente é estar em condições de escolher o que é melhor para nós próprios e não olhando e comparando os outros.Todos somos diferentes e especiais.

Viver em equilibrio é viver um dia de cada vez e em cada dia respeitar e dar valor ás coisas que nos são queridas.

Viver em equilibrio é não temer correr riscos.

É correndo riscos que aprendemos a ser valentes....


publicado por mokala às 21:40
link do post | comentar | favorito

Casas, os nossos ninhos

Quantos viveram nestas casas e noutras semelhantes...quantos projectos se fizeram dentro delas...sonhos e ideais que tudo isto envolve.

 

 

 

Casas de Nampula

 

A propósito lembrei -me desta canção:

 

Minha menina
se um dia fores minha
Vou comprar uma casinha
pra gente poder morar
Pintar de branco,
com janela vermelhinha,
Uma casa pequenina
pra poder te alegrar
Em frente à casa
vou plantar um pinheirinho
Pra enfeitar o teu caminho,
ser teu verde, teu frescor
E em nossa cama
vou te dar muito carinho
Nossa casa, nosso ninho,
nosso leito, nosso amor

Quando mais tarde
já cansados, bem velhinhos,
Olhando os nossos netinhos
na varanda a brincar
Eu ao teu lado
relembrando tempos idos
Nossos sonhos mais queridos
começados num altar
Vou fazer versos
tocando o meu violão
Te oferecer uma canção,
minha vida, meu calor
E em nossa cama
vou te dar muito carinho
Nossa casa, nosso ninho,
nosso leito, nosso amor

 

Leonardo André

 


publicado por mokala às 00:21
link do post | comentar | favorito
Sexta-feira, 1 de Maio de 2009

Rua dos Sem Medo

A todos os da Rua dos Sem Medo dedico este "post"

 

 

 

 

e este poema

 

SONHOS

 

Percorro a rua sem números
da minha vida.
vejo todas as àrvores outrora floridas
secas...
Vejo aquelas alegres casas caiadas
com flores nas varandas
desabitadas!
 
Folhas secas pelo chão
são atiradas pelo vento
para longe;
Para onde irão?
 
A imaginar eu vejo-as voando
rasgando o ar
procurando a sombra
para aterrar
no jardim da solidão...
 
 
Entro naquela casa vazia...
Tudo é diferente.
Vazia...nada encontrei
Pisei o chão
apalpei as paredes
fechei e abri as portas
e da janela vi a rua
sem ninguém.
 
Procurei em vão por todos os lados
algo que desse a certeza
que era aquele o lar
das minhas ilusões
dos meus sonhos passados
da minha infância...
 
Vazia, nada encontrei...
 
Que é feito dos meus sonhos?
Onde estão?
Eram só sonhos?
Ilusão!!!
O sonho é vão
e eu aqui estou
sozinha
novamente a sonhar.
Sim, porque tudo se sonha
e eu sonhei...
E procurei o sonho.
quiz vê-lo...
Mas era sonho apenas
e não o encontrei...
Era feito depenas
e voou.
 
Era um sonho de ilusões
feito das folhas secas
das àrvores da minha rua.
que o vento
arrastou para longe...
 
Um sonho que fugiu
outro que se fez melodias...
Sonhar?
Sonhar, sonha-se todos os dias.
 
 NPL1966
 
 
Não sei se estou a repetir este poema, se estou desculpem...

 


publicado por mokala às 22:58
link do post | comentar | favorito

Rua Cidade de Moçambique

Inicio da Rua Cidade de Moçambique

A placa com o nome não está muito nítida, mas está lá o nome.

 

 

Muitas ruas e muitas recordações....

muitas ruas e muitas casas e muitas mais recordações e saudades...

Não posso colocar aqui tudo que vi, as ruas que percorri, mas há alguma coisa que não posso deixar de colocar.

A Rua Cidade de Moçambique é uma delas.

E agora perguntam vocês porquê (?).

 

Porque anos a fio palmilhei esta rua, porque vivi por duas vezes aqui em casas diferentes.

Porque tinha aqui o meu grupo de amigos, enfim...que mais dizer?

Para quê falar?

A minha última rua em Nampula.

 

 

 


publicado por mokala às 02:30
link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim


. ver perfil

. seguir perfil

. 2 seguidores

.pesquisar

 

.Novembro 2012

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
14
15
16
17

18
19
20
21
22
23
24

25
26
27
28
29
30


.posts recentes

. Othawene timpuanhia apaje...

. O que tenho de mar

. Que Mar é este.

. Maria sem vergonha - A mi...

. Até amanhã

. Ó minha Ilha de Moçambiqu...

. Nacala

. Cheiro de mato

. Na terra vermelha da min...

. mar que eu encontro de en...

.arquivos

. Novembro 2012

. Julho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Fevereiro 2012

. Outubro 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Setembro 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

.links

SAPO Blogs

.subscrever feeds

Em destaque no SAPO Blogs
pub