Quinta-feira, 16 de Junho de 2011

Algodão doce

Algodão doce para todos as meninas e meninos.

Para as minhas netas lindas.

Para a Irene, para o Emercindo, para os filhos da Adélia, para os sobrinhos dela, para os meninos do Monapo, de Netia e de Nacaroa...

Para as meninas e meninos de Nampula, da Ilha...da Praia das Chocas enfim para todos vai este algodão doce do céu de Nampula, tão fofinhoooooo

 

 

 

 

NUVEM DE ALGODÃO “DOCE”
(Cláudia Liz)

 

 

 

Nesses versos vou agora
Fazendo o passado voltar,
Recordando a tua infância,
Brincando de adivinhar.

 

Olha só!... veja no céu
A nuvenzinha a correr
Que parece um carneirinho
Ou um pássaro a descer.

 

Bem branquinha,
Bem fofinha,
Corre, brinca de esconder.
Voa, Voa, corre, corre...

Nem dá tempo de eu ver!

 

Parece algodão doce.
Dá vontade de comer.
Um pirulito, um cachorrinho...

Em todas nuvens posso ver.

 

Vem aqui brincar comigo
De nuvenzinha admirar!
Brincadeira gostosinha,
Nuvenzinha adivinhar.


publicado por mokala às 01:52
link do post | comentar | favorito
|

Parar para pensar

 

 

Parar para pensar....

Foi aqui que parámos a caminho de Pemba, não para pensar mas para descansar.

 

Esplanada escondidinha, o sítio ideal para pensar...aqui, tão longe e tão perto.

Longe de uns, perto de outros.

 

Parar para pensar....

 

 


Mal nascemos, sem dar conta percebemos
Que o nosso tempo começou e, por agora, não vai parar
E devagar gatinhamos, depois passo a passo caminhamos
Caindo, sorrindo, chorando mas, sem parar para pensar

 

E à medida que o tempo passa, damos conta que crescemos
E à nossa volta, a novidades nos fazem habituar
Brincamos, sorrimos, dormimos e até corremos
Na ânsia de aprender mas, sem parar para pensar

 

Já na escola, de outra forma aprendemos
E mais informação põe o cérebro a funcionar
Com coisas novas que em grupo desenvolvemos
Onde nem sequer há tempo de, parar para pensar

 

Anos depois surgem ventos de mudanças
E o corpo torna-se diferente e ímpar
E vamos fazendo as nossas próprias experiências
Muitas vezes, sem parar para pensar

 

E anos mais tarde quando nos tornamos grandes
Surge a nostalgia e a vontade de voltar
E é nesses tempos mais ou menos distantes
Que nos lembramos de, parar para pensar

 

E agora, numa competição e sempre a correr
Desde o nosso brusco acordar até ao deitar
Vemos em pleno a nossa vida a amadurecer
E por isso não temos tempo de, parar para pensar

 

E corremos de manhã para o ganha-pão
Continuamos a corrida ao almoço e ao jantar
E a correr vamos por um sonho ou por alguém
Onde poucas vezes, paramos para pensar

 

Depois, vivemos a vida para os outros
Porque acreditamos e confiamos na palavra Amar
Mas, até esses que no fundo são bem poucos
Ás vezes também não nos deixam, parar para pensar

 

Lutamos depois por pensamentos e ideais
Aqueles sobre os quais ainda ousamos sonhar
Voltamos a cair, levantamo-nos, e cada vez mais
Nos vai faltando o tempo de, parar para pensar

 

Em horas de revolta contra o que não está certo
Ganhamos forças e coragem para denunciar
Mas, os medos da ruptura pairam bem perto
E silenciam o nosso, parar para pensar

 

E quando os que nos amam, nos vão deixando
Um a seguir ao outro e ás vezes até sem contar
Nesses tempos de dor choramos, meditando
Que muitas vezes por eles, não paramos para pensar

 

Os anos vão-se passando e os tempos mudando
O corpo torna-se frágil, com pouca força para andar
E empurram-nos para um qualquer canto hediondo
Onde não ouvem o nosso delicado, parar para pensar

 

Mas, um dia acaba a corda do nosso relógio
Chega também o nosso tempo de findar
É nessas horas que, dizem os entendidos
Enfim, finalmente estamos parados para pensar !

 

Paulo A. Santos / Setembro de 2004 / no Luso Poemas

 


publicado por mokala às 01:25
link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Novembro 2012

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
14
15
16
17

18
19
20
21
22
23
24

25
26
27
28
29
30


.posts recentes

. Othawene timpuanhia apaje...

. O que tenho de mar

. Que Mar é este.

. Maria sem vergonha - A mi...

. Até amanhã

. Ó minha Ilha de Moçambiqu...

. Nacala

. Cheiro de mato

. Na terra vermelha da min...

. mar que eu encontro de en...

.arquivos

. Novembro 2012

. Julho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Fevereiro 2012

. Outubro 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Setembro 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

.as nossas fotos - Obrigada à Paulinha e à Dalila minhas companheiras de viagem que me autorizaram a usar aqui as fotos delas.BJKS

.links

blogs SAPO

.subscrever feeds