Segunda-feira, 30 de Maio de 2011

A heliconia ou pássaro de fogo

Jardins do Nairuco - Nampula

 

 

 

O pássaro de fogo

 

Esquecer...
Bem que eu queria ó pássaro de fogo...
Fogo ardente queima em mim...!
És fogo sou fênix do bico dourado...
Choro o amor do passado,
Que em mim não passou...
Doces lembranças d’alma insana,
Surgem das cinzas de um fogo apagado
O pássaro de fogo ressurge enfim!
Falar compassado... Medido, provado...
Vôo alçado para aquém do presente...
Enlevo..., doçura, estás a minha frente
Procuro tocar-te, em vão alcançar-te...
Falho no tato... Como sentir-te?
Tuas asas bateste reflexo dourado...
Banhei-me em teu brilho...
Dourada fiquei...
Na quente areia d’uma praia distante
Fui feliz por um instante...
Logo... Acordei!

 

EstherRogessi. Versos Livres: Pássaro de Fogo.

in Luso Poemas


publicado por mokala às 20:14
link do post | comentar | favorito
|

O Vento balançava as folhas dos coqueiros...

 

Coqueiros balançando na Praia da Carrusca . Chocas

 

 

 

 

O Vento Balançava As folhas Dos Coqueiros...

 

Caminhou lentamente rente as ondas
Deixando um rastro sinistro para trás
Parecido a um labirinto de conchas

Tatuadas em corpos coloridos de corais.

 

O vento balançava as folhas dos coqueiros
Apagando as pequenas pegadas pelo chão
Redemoinhando pelos pêlos e os cabelos
Anunciando que vinha chegando a viração.

 

Nada levava além dos sonhos e fantasias.
Não mais sentia aquela ânsia da espera.
Sem aquele jogo sôfrego das quimeras;

Sem os confortos mágicos das poesias.

 

Junto a um mosaico de porosas pedras
Descansou por mais de um momento.
Fez uma boa morada e acampamento
Isenta de muralhas, portais e janelas.

 

Esperou que findasse mais um dia de sol
Fitou o ocaso num espetáculo da natureza
Lançou em noite calma sua linha e anzol,
Afinal ele era um pescador... De estrelas!

 

Gyl no Luso Poemas


publicado por mokala às 16:53
link do post | comentar | favorito
|
Quarta-feira, 11 de Maio de 2011

As nuvens

O céu de Nampula - Moçambique

 

As nuvens

 

 

Movem-se soltas, vagas,
Com ausência de cor ou acinzentadas;
Unem e desunem seus braços
Cúmplices, preenchendo espaços.

 

Roubam olhares, arrastam pensamentos,
Seguindo seu rumo dependente dos ventos.
E, como em muitos outros momentos,
Também aqui me cativam o olhar!
E o quanto me fazem pensar...!

 

Em que penso? Perguntarás retoricamente...
Não sei...talvez! Penso no que, provavelmente,
Também tu paraste para pensar,
Ou pensaste inconscientemente
Tentando não pensar...

 

Eu limito o meu pensamento em ti, em mim,
No «nós» que outrora fomos
E no que agora somos...
E dou por mim esquecendo o suposto fim
E revivendo o meio que geramos...
E penso e repenso nas palavras que dissemos,
No perto que estivemos
E no longe em que estamos...

 

Earnshaw  http://www.luso-poemas.net/


publicado por mokala às 01:35
link do post | comentar | favorito
|
Terça-feira, 10 de Maio de 2011

"Chuva de caju"

 

Como te chamas, pequena chuva inconstante e breve?
Como te chamas, dize, chuva simples e leve?
Tereza? Maria?
Entra, invade a casa, molha o chão,
Molha a mesa e os livros.
Sei de onde vens, sei por onde andaste.
Vens dos subúrbios distantes, dos sítios aromáticos
Onde as mangueiras florescem, onde há cajus e mangabas,
Onde os coqueiros se aprumam nos baldes dos viveiros.
E em noites de lua cheia passam rondando os maruins:
Lama viva, espírito do ar noturno do mangue.
Invade a casa, molha o chão,
Muito me agrada a tua companhia,
Porque eu te quero muito bem, doce chuva,
Quer te chames Tereza ou Maria.


poema "Chuva de Caju" de Joaquim Cardozo, 1936

 

 

Também eu gostava agora de uma chuva de cajú...nem precisava de ser chuva, bastava um...

sinto-me:

publicado por mokala às 22:35
link do post | comentar | favorito
|
Quarta-feira, 4 de Maio de 2011

Zeca Pirex

 

Faleceu o Zeca Pirex - Amigo nascido na Ilha de Moçambique

 

A um amigo...
qualquer dia cada um de nós também terá de despir o fato que veste e partir...talvez para um dia voltar, quem sabe!




...“Este fato que eu visto”



às vezes não sei se existo

Ou porque existo,

...
Mas a verdade é que não resisto

A comparar

Este velho fato

Que desde que nasci

Eu visto

Com esta alma endiabrada

Irrequieta e sempre jovem,

Que não envelhece,

Ela que deve ser

Tão antiga como o tempo

E pelo tempo vai continuar…

Mas é com esta parceria

Que vou vivendo,

Embora sabendo

Que ela terá de terminar!

Eu sei que um dia,

Qualquer dia,

Porventura não distante

Terei de me despedir

Deste fato que está ficando

Gasto, velho e cansado

E partirei

Para uma longa viagem

Da qual voltarei

Não sei quando…

Com nova roupagem

Renascendo…
 
Por Fernanda Furtado

 


publicado por mokala às 23:37
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Novembro 2012

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
14
15
16
17

18
19
20
21
22
23
24

25
26
27
28
29
30


.posts recentes

. Othawene timpuanhia apaje...

. O que tenho de mar

. Que Mar é este.

. Maria sem vergonha - A mi...

. Até amanhã

. Ó minha Ilha de Moçambiqu...

. Nacala

. Cheiro de mato

. Na terra vermelha da min...

. mar que eu encontro de en...

.arquivos

. Novembro 2012

. Julho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Fevereiro 2012

. Outubro 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Setembro 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

.as nossas fotos - Obrigada à Paulinha e à Dalila minhas companheiras de viagem que me autorizaram a usar aqui as fotos delas.BJKS

.links

blogs SAPO

.subscrever feeds