Sexta-feira, 29 de Maio de 2009

Chocas Mar uma recordação

 

Duas peneirinhas da Praia das Chocas

 

 

Estes cestos muito engraçados e enfeitados com areia e conchas da Praia das Chocas são recordações que podem trazer de lá.Estão ao dispor em frente ao complexo turístico do Helder onde além destes encontrarão mais objectos autênticas obras de arte em conchas.

Coisas maravilhosas...

Tudo em Chocas Mar - Praia das Chocas - Mossuril - (Província de Nampula) Moçambique


publicado por mokala às 22:38
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|

Quitundo ou quitungo ou ainda peneirinha

No povo Macua utilizam-se cestos de vários tamanhos e feitios nos trabalhos domésticos e agrícolas.É uma tradição antiga deste povo que ainda hoje perdura.

 

Como é o caso das peneirinhas para peneirar a farinha e que têm uma característica interessante na maneira como são executados.

 

São redondos e o fundo é tecido entrecruzado.

Podem ser tecidos em diagonal, em ziguezague, de quadrados concêntricos, rectângulos concêntricos e de espirais.

Estes cestos redondos têm sido objecto de estudo de muitos especialistas em cestaria pela maneira como são tecidos e confeccionados.

Eis alguns exemplos de entrançados de quitungo, quitundo ou peneirinha

 

 

 

Quanto ao nome do cesto também se pode chamar epadge.

 

Caracteriza-se por um fundo entrecruzado que é entalado entre dois aros apertados em vários pontos formando uma borda rígida.

 


publicado por mokala às 19:33
link do post | comentar | favorito
|
Quinta-feira, 28 de Maio de 2009

Pausa para olhar o céu

Foto da Dalila

O Céu de Nampula

 

Olhando o céu

 

Poesia de Moacir Sader

 

 
 
 
Olhando o céu,
Verás que não estás sozinho,
Que o mundo embora grande, não é assustador,
Que a vida, complexa, é possível vivê-la.
Olhando o céu,
Verás uma grande esperança,
Que o mundo é uma criança,
Que és uma criança.
Olhando o céu,
Verás que se deve sonhar sempre,
Que acreditando nos sonhos,
És capaz de realizá-los.
Olhando o céu,
Verás o pássaro,
Que, invisível, grita a liberdade,
És capaz de vê-lo, ouvi-lo e senti-lo.
Olhando o céu,
Verás uma força imensa existindo em tudo,
Energia que vem para revolver todas as coisas,
Mas que se torna impotente perante nossa liberdade.
Olhando o céu,
Verás que uma vida espera por todos nós,
Mas, para chegar lá,
Temos de viver o agora como se fosse tempo único.
Olhando o céu,
Verás amigos sorrindo,
Verás que, de mãos dadas, é mais fácil viver,
É mais fácil ser humano.
Olhando o céu,
Verás que os momentos da vida
Quando se tornam transcendentes,
Penetram em nosso interior e se eternizam.
Olhando o céu,
Verá a ti mesmo com toda liberdade
E capacidade de amar que possuis.
 
Voar é possível, mesmo sem asas. Basta sonhar e amar.  

 


publicado por mokala às 01:32
link do post | comentar | favorito
|
Quarta-feira, 27 de Maio de 2009

Entre as areias e o Mar - Praia das Chocas

Praia das Chocas

Areia branca e fina, Mar turquesa e Céu azul, uma beleza de efeito calmante e duma tranquilidade incomparável.

 

 

Foto de Dalila

 

 

ENTRE AS AREIAS E O MAR


Entre as areias e o mar viaja
o teu olhar. O teu corpo respira
com os sinuosos traços das vagas
e as sensações e a doçura e a ira

São a própria luz feita desejo.
O meu ópio será os teus anseios
e as palpitações de teus lábios
os gritos das gaivotas e os teus,

na fusão lúdica do sémen e dos rios.
Na confrontação devorado é o desejo
e enquanto a paixão parte, voa
o espírito em busca de outros sóis.

 

de Virgílio de Lemos
 

 

sinto-me:

publicado por mokala às 02:16
link do post | comentar | favorito
|

Cestaria de Moçambique

Muito há que dizer sobre esta arte muito vulgar na Província de Nampula,

Encontram-se os mais variados artigos feitos de palha entrançada e muito bem trabalhada geométricamente.

Desde as esteiras , peneirinhas e outros utensílios de pesca e uso doméstico trabalham em cestaria com a maior perfeição.

O Moçambicano tem espírito criativo e artístico em todas as áreas.

 

Em Nacala encontrei estas peças:

 

 

  

Artigos expostos no Bay Diving

 

Estes artigos são para uso da Pesca actividade marcante em Nacala terra de pescadores, onde há uma perfeita harmonia entre o mar e a terra.

 


publicado por mokala às 02:00
link do post | comentar | favorito
|
Terça-feira, 26 de Maio de 2009

Arte em pau preto

 

 

 

Peças em pau preto em Nacala


publicado por mokala às 11:37
link do post | comentar | favorito
|

Arte e artesanato de Moçambique

A arte é sempre uma presença do espírito.

 

 

Nesta região encontra-se entre outros o secular trabalho de arte e artesanato em pau-preto (ébano) é um autêntico símbolo artístico da província de Nampula, onde também se destaca o artesanato utilitário em palha e sobretudo mobiliário em madeira trabalhada, rendilhada, a fazer recordar influências árabes, portuguesas, hindus e mesmo chinesas.A arte de esculpir a prata também é caractrística deste povo além de outros materiais agora em uso pelos artesãos.

De notar a influência da vida do dia a dia nas suas obras de arte dando grande importância à mulher.

Encontrei várias formas de arte nesta viagem mas nem todas pude trazer em fotos.

Deixo apenas algumas para recordação.

 

Em Nampula encontrei esta originalidade de aproveitamento de materiais.(Latas.caricas, arame etc.)

 


publicado por mokala às 10:54
link do post | comentar | ver comentários (7) | favorito
|
Quarta-feira, 20 de Maio de 2009

Uma bonita manhã sei que despertarei diferente de todos os outros dias....O Mokala está de luto

....
Uma bonita manhã sei que despertarei
Diferente de todos os outros dias
E o meu coração livre enfim do amor
E no entanto,

Sem remorso, sem uma lamentação partirei

e seguirei sem esperança de regresso
.................................................................................

 

Partiu um filho de Nampula e o "Mokala" está de luto.

 

Que esteja em Paz

 

Poema

Se eu morrer de manhã  - de Rosa Lobato Faria

 

"Se eu morrer de manhã
abre a janela devagar
e olha com rigor o dia que não tenho.

Não me lamentes. Eu não me entristeço:
ter tido a morte é mais do que mereço
se nem conheço a noite de que venho.

Deixa entrar pela casa um pouco de ar
e um pedaço de céu
- o único que sei.

Talvez um pássaro me estenda a asa
que não saber voar
foi sempre a minha lei.

Não busques o meu hálito no espelho.
Não chames o meu nome que eu não venho
e do mistério nada te direi.

Diz que não estou se alguém bater à porta.
Deixa que eu faça o meu papel de morta
pois não estar é da morte quanto sei."

ROSA LOBATO DE FARIA

 


publicado por mokala às 02:28
link do post | comentar | favorito
|
Sábado, 16 de Maio de 2009

"A mangueira sagrada"

 

Eu continuo na minha que a famosa "Mangueira sagrada" é esta.

Para a localizarmos lembro que a dita ficava junto a um campo de basquete ao lado da piscina, ou melhor, entre o campo e as traseiras da cantina.

Nesta foto da esquerda para a direita vê-se a piscina, a seguir o campo de basquete e depois as traseiras da cantina.

 

Eu sou do tempo em que a escola ainda não estava construida e este espaço era só vegetação.Servia de passagem para umas casas de amigos meus.Então aproveitavamos os intervalos e brincavamos e passeávamos aqui.Lembro-me perfeitamente e deve haver pessoas desse tempo que como eu se lembrarão.

 


publicado por mokala às 02:29
link do post | comentar | favorito
|

Nada é por acaso...

Nada é por acaso

 

Tudo na vida tem um propósito...
Por mais simples que possa parecer nada acontece por acaso.
Seja uma folha que cai, um simples pássaro que voa ou uma pedra no caminho.
Tudo tem uma razão, um motivo,um propósito...

 

Seria um acaso, um dia, há muitos anos algures numa praia do Algarve encontrar entre muitas conchas esta que se vê na foto e guardá-la até hoje?

Seria por acaso que nesta viagem a Moçambique tenha encontrado na Praia das Chocas algumas pedras e ter guardado esta que trouxe para casa?

 

 

 

 

Chegando a casa e colocando uma peça ao pé da outra reparei que encaixavam como se tivessem sido feitas uma para a outra.

 

 

E lá estão elas aconchegadinhas.A pedra da Praia das Chocas e a concha de ostra da Praia dos 3 Pauzinhos de Vila Real de Santo António.

 

 

O que isto significará?

Tinha guardado a concha para que agora recebesse o aconchego da pedra da praia.

Ambas do mar, uma união que eu quero guardar comigo para sempre.

Um acaso?Uma coincidência?

 


publicado por mokala às 01:47
link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Novembro 2012

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
14
15
16
17

18
19
20
21
22
23
24

25
26
27
28
29
30


.posts recentes

. Othawene timpuanhia apaje...

. O que tenho de mar

. Que Mar é este.

. Maria sem vergonha - A mi...

. Até amanhã

. Ó minha Ilha de Moçambiqu...

. Nacala

. Cheiro de mato

. Na terra vermelha da min...

. mar que eu encontro de en...

.arquivos

. Novembro 2012

. Julho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Fevereiro 2012

. Outubro 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Setembro 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

.as nossas fotos - Obrigada à Paulinha e à Dalila minhas companheiras de viagem que me autorizaram a usar aqui as fotos delas.BJKS

.links

blogs SAPO

.subscrever feeds